Área de atuação

O Litoral Sul da Bahia, é uma região de Mata Atlântica que abriga uma das mais ricas biodiversidades do planeta, com grande potencial para o desenvolvimento de atividades turísticas, agrícolas, pesqueiras, de economia criativa e de economia florestal.

Na região, encontram-se cinco Unidades de Conservação Ambiental — Parque Estadual da Serra do Conduru (PESC), Área de Proteção Ambiental (APA) da Costa Itacaré–Serra Grande, APA da Lagoa Encantada e Nascentes do Rio Almada, Parque Estadual da Ponta da Tulha e o Parque Municipal da Boa Esperança. A região também conta com importantes instituições de ensino, pesquisa e extensão, como: a Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), o Instituto Federal Baiano (IFBaiano), a Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), a Escola Rural Dendê da Serra e a Unidade Integrada do Sul da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB).

Por outro lado, a região enfrenta um ciclo crônico de desigualdade e pobreza, fruto do processo histórico e cultural de desenvolvimento, baseado em monocultura e concentração de renda, agravados pela decadência da economia cacaueira. Alguns indicadores refletem as dificuldades socioeconômicas enfrentadas no Sul da Bahia. Por exemplo, o Produto Interno Bruto (PIB)[1] per capita do município de Uruçuca, de R$ 5.513,47, é bastante inferior ao PIB per capita do estado da Bahia, de R$ 11.232,00. O PIB do município corresponde a apenas 0,06% do PIB baiano. Mais de 50% da população local é assistida pelo programa Bolsa Família, e seu Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) é de 0,616[2].

Este processo prejudicou o desenvolvimento de economias tradicionais como a pesca, a agricultura e o extrativismo, reforçado por lesgislações ambientais mais rígidas. Neste contexto, a baixa qualificação técnica e profissional da população dificulta sua adaptação às novas tecnologias e oportunidades econômicas.
As belezas naturais e a boa qualidade de vida têm atraído para a região pessoas do Brasil e do mundo que trazem novos costumes, provocam aumento dos preços das terras e do custo de vida, gerando conflitos socioculturais. O crescimento populacional na região vem provocando uma ocupação desordenada, ameaçando a manutenção da qualidade de vida e dos recursos naturais.

A Tabôa, localizada em Serra Grande (Uruçuca-BA) surge com a visão de promover o protagonismo de atores locais para que possam liderar o desenvolvimento econômico e social, em harmonia com os recursos ambientais locais. A sua atuação ocorre por meio de dois eixos estratégicos, sinergéticos e complementares: fortalecimento das vocações econômicas e protagonismo comunitário.

A Tabôa participou da elaboração do projeto “Circuitos Agroecológicos” e será gestora de suas atividades. O objetivo geral do projeto é contribuir com a alimentação saudável e a proteção da sociobiodiversidade no campo por meio do fortalecimento da agricultura familiar agroecológica, visando potencializar a produção, o beneficiamento e a circulação para abastecimento dos mercados nos territórios das Redes Ecovida (PR, SC, RS), Rede Povos da Mata (BA) e SP, que beneficia 200 agricultores familiares. Com a realização do projeto, a Tabôa ampliou a sua área de atuação, abrangendo mais cidades da Bahia, dentro do território de atuação dos núcleos da Rede Povos da Mata (Irecê, Pratigi, Porto Seguro e Serra Grande).

[1] Fonte: IBGE - tem como referência o ano de 2010, seguindo, portanto, a nova referência das Contas Nacionais.
[2] Fonte: Atlas Brasil 2013 Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento.

Rua Osvaldo Ribeiro, 221 - Serra Grande
Uruçuca – Bahia – CEP 45.680-000

  • Email: atendimento@taboa.org.br
  • Tel.: (73) 3239-6219 (Oi)

  Acompanhe-nos no Facebook

Notícias da Tabôa!

Melhores ONGs
© 2019 - Tabôa Fortalecimento Comunitário. CNPJ: 21.498.105/0001-92 Makak Comunicação